Se um amigo vem à sua porta pedir ajuda para um problema causado por uma escolha errada, você provavelmente vai acolhê-lo, fará um chá ou um café, sentará com ele, irá escutá-lo e oferecer o seu melhor conselho. Como amigo, é quase certo que você vai amorosamente alertá-lo sobre os equívocos, irá ajudá-lo a crescer.

E com você?

Como você é com você em relação aos seus tropeços?

Eu quero lhe fazer uma proposta: Seja generoso consigo.

Observe aquela culpa que você carrega há algum tempo, um tempo considerável. Encare-a de frente e analise a causa desta culpa sob todos os ângulos. Observe atentamente qual o vocabulário que esta situação desencadeia em sua mente, quanto desta conversa íntima lhe aprisiona e o entristece. Comece a revertê-la! Seja o amigo da sua mente.

Pondere, analise, atente para as palavras que você usa para você mesmo. Trate-se com a delicadeza madura que enfrenta mas não agride.

Compreenda que você não irá acertar sempre e que isso faz parte do seu processo de acertar o passo da sua caminhada.

Entenda que as trilhas tortas, pelas quais você muitas vezes opta, lhe desafiam a um olhar desacomodado.

Veja que o desconforto é um convite a sair da casca e tentar novamente de um jeito mais sábio e equilibrado.

Seja generoso consigo.

Acolha o aprendizado e perdoe-se.

Ria da ingenuidade, absorva o crescimento e evolua.

Abrace sua alma carinhosamente, reconheça o descuido, interiorize a lição que precisa ser mantida  e sorria para novas possibilidades recheadas de um olhar mais atento.

Antes de ser amigo de alguém, você precisa ser amigo de si mesmo.

Dê-se o prazer de uma bebida quentinha e o conforto de um momento só seu para avaliar suas sombras sem o peso da culpa, da auto-cobrança, mas com a leveza de quem se ama e sabe que, de qualquer jeito, você cresce.

Liberte-se das expectativas perfeccionistas a respeito de si mesmo.

Ofereça à sua alma toda a compaixão que você oferta aos que você aprecia.

Eu não pretendo propor que você seja relapso com seus erros, não… mas que você flua com a vida!

Dê o melhor de si sempre. Não paralise diante da insegurança.

Não permita que a sua mente crítica impeça que você se arrisque e tente.

Tenha coragem de tentar e errar e tentar de novo e melhorar e tentar de novo e de novo até chegar onde acha que deve!

Permita-se ser observado e elogiado e criticado, se for o caso.

Cresça, evolua, amplie-se!

Ofereça-se flores!

Dê-se um sorriso!

Seja generoso consigo mesmo e eu estou certa de que toda a bagagem que você descobrirá dentro de si servirá de inspiração para a bondade que você quer ver ao seu redor.

A leveza lhe trará o sorriso farto e isso, por si só, fará milagres.

Aceita meu convite: Seja generoso consigo mesmo.

Carenzita

COMPARTILHAR
Artigo anteriorNós somos e criamos aquilo que pensamos
Próximo artigoCuidado com as incoerências: Isso atrapalha a sua jornada evolutiva!
Cáren Araujo Proença, a Carenzita
Sou inquieta, inconformada, estou sempre buscando um sentido para tudo que acontece e acredito que as experiências que vivemos têm um propósito maior: o de evoluímos e para servir a outras vidas. Tive uma carreira de longos anos (não me peça para dizer quantos! rsrs) em corporações multinacionais e de educação. Convivi com pessoas com os mais variados humores, valores, posicionamentos, crenças e níveis sociais. No andar da carruagem, o universo decidiu mudar a rota e retirou de sob meus pés muitas bases e certezas sobre as quais eu caminhava. De repente, tudo aquilo que eu "empurrava com a barriga" veio parar na minha frente como uma tarefa sem condição de recusa. Foi uma avalanche sufocante, desafiadora que me fez (e tem feito) exercitar todas os conceitos que eu antes apenas analisada mas não vivenciava. E aí, de assessora executiva, professora universitária, mentora em projetos assistenciais, blá blá blá... eu passei a sobrevivente aprendiz de mim mesma. Não há ponto sem nó. Não há nada no universo que esteja desvinculado do caminho que você tem que percorrer para fazer o que deve ser feito dentro do seu propósito. Então, cá estou eu... ressignificando minha existência e descobrindo quão rica tem sido esta experiência de "virar do avesso".

Comentários