Quem somos nós?

Aquela famosa e intrigante pergunta que as pessoas sempre fazem a si mesmas quando estão em busca do seu verdadeiro caminho para trilhar.

Quando pensamos nesta pergunta o que nos vem a mente para poder respondê-la é a nossa imagem, aquela imagem física que vemos quando nos olhamos no espelho.

Isso acontece também quando nos lembramos de alguém que conhecemos, automaticamente buscamos em nossa memória a imagem física dela. Porém, o interessante é que pode acontecer também de quando nos lembrarmos de alguém, nos lembrarmos da sua voz, do cheiro, do abraço, ou até mesmo de situações que vivenciamos com esta pessoa, o que também é muito comum.

Nesse caso, como isso funcionaria com uma pessoa que não tem a capacidade física de ver, ver a outra pessoa, ver a si mesmo?

O que viria à mente dela quando se recordasse de alguém, se a imagem física desse alguém é desconhecida?

A mente dela recorreria a sensações, emoções. A voz da pessoa, um gesto, um toque ou uma situação.

Essas emoções e sensações são transmitidas através da nossa energia e sentidas e percebidas graças a nossa união, onde todos somos um. Onde todos os nossos pensamentos, ideias e sentimentos unem se e se tornam um só perante a grande Vida Universal.

Constantemente somos levados através de TV, rádios, internet, todos os meios de comunicação e até mesmo em nossa vivência diária a termos sentimentos e sensações que muitas vezes não são necessariamente nossos, porém nós sentimos como se fossem nosso.

E então somos capazes de nos alegrarmos quando vemos na TV uma vitória de atleta olímpico, assim como somos capazes de até chorar com aquele que não venceu a competição. Somos capazes também de nos emocionarmos ao ouvirmos uma história de superação de alguém que nem conhecemos, ou até mesmo ficarmos “chocados” ou irritados com situações que ocorrem do “outro lado mundo” com pessoas que ao menos se quer sabemos que existem.

Por que isso acontece? Seria apenas porque somos seres sensíveis, ou porque somos seres bondosos que se preocupa com o bem estar do outro, ou seria porque sentimos compaixão, ou seria porque na realidade somos Um Todo e quando uma parte desse Todo está bem o Todo está bem, quando uma parte do Todo não está bem, o Todo não está bem?

Eu particularmente compartilho da última hipótese citada.

E como isso pode acontecer sem ao menos termos o conhecimento “físico” daquela pessoa que está do “outro lado do mundo”, porque muito além do conhecimento “fisico” existe a conexão energética entre o Todo.

Tudo é energia, tudo o que acontece no Universo é energia, somos todos energia, somos todos vibrações e estamos a todo momento emanando e recebendo energia do Todo. A todo momento energia positiva e energia negativa estão sendo emitidas e recebidas por todos.

Por isso é muito importante cuidarmos do tipo de energia que emitimos, pois de acordo com a lei de atração por semelhança vibracional atrairemos para nossa vida o mesmo tipo de energia que emitirmos frequentemente e constantemente.

Quem somos nós?
Somos seres espirituais, somos seres de luz, seres vibracionais que estamos utilizando este corpo material para podermos manifestar e vivenciar o Eu individual.

Não dá para responder apenas que Eu Sou o Paulo, ou Eu sou a Maria, Eu Sou muito mais do que isso. Eu Sou o Todo e você também é o Todo. Juntos Somos o Todo em Grande Escala.

Manifeste o seu amor, a sua positividade a todos que conhece clicando no botão “curtir” e compartilhando este artigo com seus amigos. Vamos juntos unificar o Todo!

Minha eterna gratidão e bençãos de luz.
Paulo Oliveira

Comentários