Na astrologia, os dez corpos planetários em nosso sistema solar têm uma “personalidade” – um significado  simbólico por trás de sua energia. Enquanto viajam pelo céu, passando pelos doze signos do zodíaco, sua personalidade se manifesta de várias maneiras.

Caso queira saber mais sobre o que é Astrologia, confira este artigo aqui (O que é Astrologia e o que você pode fazer com ela?)

Hoje  você descobrirá o significado de cada planeta, suas órbitas e calendários retrógrados, bem como as interações que eles fazem entre si – causando mudanças energéticas para nós aqui na Terra e onde todos sentimos o seus efeitos. Consciente ou inconscientemente.

Quantos planetas existem no sistema solar?

Se você olhar para um mapa astrológico, há dez corpos planetários para observar. Cada planeta rege ações diferentes, fases da vida e até partes do corpo, por isso é vital entender como elas funcionam em geral e em cada signo astrológico.

É importante notar que a definição de planeta na astrologia difere um pouco da definição em astronomia. Lembre-se de que a astrologia existe há 2.000 anos e foi observada pela primeira vez a olho nu. No caso de Plutão, por exemplo, tem havido muito debate dos astrônomos modernos sobre se seu tamanho o classifica como um planeta oficial. Atualmente é apelidado de “planeta anão”, mas, ao olhar para um mapa astrológico, ele tem o mesmo peso que o resto da equipe interestelar. A lua (um satélite da Terra) e o sol (uma estrela) também são considerados planetas para fins astrológicos, embora nem passem por um período retrógrado.

Por que os planetas são tão importantes em astrologia – e o que eles significam?

Na astrologia, o alinhamento planetário é significativo em mais de uma maneira. Antes de tudo, a posição dos planetas no céu no momento do seu nascimento revela informações significativas sobre como você vê o mundo, seus hábitos e características, sistemas de crenças e pontos fortes e fracos. Todo planeta domina alguns domínios gerais, dando aos astrólogos uma visão da maneira como você funciona e interage com os outros.

Simplificando, eis o que cada planeta representa:

O sol: autoconsciência e ego
A lua: vida emocional interna
Mercúrio: Comunicação
Marte: assertividade e agressão
Vênus: Amor, beleza e dinheiro
Saturno: Responsabilidade, tempo e rotina
Júpiter: Sorte e oportunidade
Urano: Individualidade e revolução
Netuno: sonhos, cura e intuição
Plutão: Sexo, morte e transformação

Detalharemos cada planeta em um novo artigo, trazendo uma compreensão maior para você!

Compreender o alinhamento planetário também fornece um guia útil para entendermos a vida cotidiana.

À medida que os planetas se movem e orbitam no céu, eles mudam seu foco de maneiras diferentes. Um trânsito de Júpiter pelo gráfico, por exemplo, pode lhe trazer oportunidades surpreendentes em carreira, dinheiro ou até amor.

É importante notar quando um planeta está retrógrado ou parece girar para trás, pois pode lançar alguma visão sobre o que está por vir. Pense no temido Mercúrio retrógrado, quando a comunicação dá errado! Tomar nota de onde os planetas estão tanto no seu mapa astrológico pessoal quanto no céu regularmente permite compreender eventos e emoções, e é uma ferramenta poderosa que pode ajudá-lo a alocar seus recursos físicos e mentais.

Planetas Natal, Sociais e Geracionais

Quando você olha para o seu mapa astrológico, geralmente a primeira coisa a se notar são os planetas natais – aqueles que têm as órbitas mais rápidas e, portanto, variam mais. Esses planetas (o sol, a lua, Vênus, Mercúrio e Marte) às vezes são chamados de “planetas pessoais”, pois determinam os relacionamentos que temos com nós mesmos e com as pessoas mais próximas a nós. Auto-entendimento, confiança, relacionamentos interpessoais, desejos pessoais e estilo de comunicação são todos governados por essas forças celestes.

A ponte entre os planetas interno e externo é Júpiter e Saturno – os planetas sociais. É um par e tanto, pois ambos representam padrões, rotinas e como estruturamos nossas vidas. Os planetas sociais nos ligam ao mundo, influenciando nossos sistemas de crenças, senso de expansão e filosofia.

Os planetas externos (Urano, Netuno e Plutão) são considerados os planetas geracionais. Esses planetas têm uma órbita mais lenta que os planetas internos e, como tal, afetam um grupo maior de pessoas. Por exemplo, todos os nascidos entre novembro de 1983 e novembro de 1995 estão na geração Plutão em Escorpião. É comum que esses grupos se unam sob temas comuns. Eles podem compartilhar temas semelhantes em música, arte e atitudes em relação aos costumes sociais.

Aspectos e alinhamentos: como os planetas interagem entre si

Assim como nossas vidas são afetadas pelas pessoas com quem interagimos, a energia pode mudar e se transformar com base no alinhamento dos planetas no céu! E, semelhante a quão bem (ou não tão bem) você pode estar com certas pessoas, os planetas podem ter seus próprios conflitos. Alguns alinhamentos, ou “aspectos”, podem ser positivos, enquanto outros podem ser negativos. Há sete aspectos principais a serem lembrados:

Conjunção: Os planetas são considerados em conjunção quando estão no mesmo signo astrológico. Este é um alinhamento planetário favorável que amplifica a energia dos dois planetas.

Sêxtil: Quando os planetas estão separados por 60 graus, eles são considerados sêxtil. Esse também é um posicionamento fácil que promove a harmonia.

Trígono: separados a 120 graus, os planetas são trígonos. Outro alinhamento planetário suave que deixa as coisas à vontade.

Semisêxtil: planetas semisêxetil estão alinhados a 30 graus de distância. Isso pode causar algum atrito, pois os planetas estarão localizados a um sinal com pouco em comum.

Quadratura: um posicionamento difícil, planetas quadrados (ou 90 graus) tendem a provocar emoções e reações extremas. Um cabo de guerra planetário.

Quincunce: planetas separados a 150 graus estão na posição de quincunce. Embora essa não seja uma guerra total, os planetas o levarão em direções opostas, criando a necessidade de algumas grandes fronteiras e um check-in das prioridades.

Oposição: Quando os planetas estão separados por 180 graus em signos astrológicos opostos, eles são opostos. Embora faíscas possam voar nesse alinhamento planetário, também é uma boa oportunidade de equilíbrio. Às vezes os opostos se atraem!

O que significa quando um planeta está “em um signo”?

Enquanto cada planeta representa um signo particular do zodíaco, eles passam por todos os signos enquanto transitam pelo céu. Quando um planeta está “em um signo”, ele traz uma dose de sua influência às qualidades desse signo. Pense nisso como um casamento entre os dois naquele momento no céu – seja ele compatível ou não! Por exemplo, Mercúrio em Áries pode tornar a comunicação mais ardente e impaciente, enquanto Vênus em Leão provavelmente será um momento de maior confiança e assertividade.

Em geral, os planetas estão mais à vontade no signo que governam (Júpiter em Sagitário, por exemplo), mas há benefícios e quedas em cada signo – características que os planetas certamente enfatizarão com seu toque especial.

Com uma órbita mais curta, os planetas internos (o sol, a lua, Mercúrio, Vênus e Marte) se movem mais rapidamente através dos signos, de modo que sentimos sua presença com mais frequência.

Estamos aqui para simplificar a Astrologia e trazer uma expansão da consciência e do Ser!

Gratidão,
Equipe Filosofia do Bem

Livre tradução: Horoscope