Olá Seres de Luz!

Diariamente julgamos de forma individual e coletiva os fatos ou as condutas das pessoas a nossa volta como certo ou errado, justo ou injusto, belo ou feio. Mas ao julgarmos, seja uma pessoa ou o coletivo, esquecemos que todos somos seres únicos e individuais pertencentes a uma única categoria chamada de Ser Humano. Estes julgamentos não define o ser humano em suas principais características, mas sim, nos leva a um abismo chamado preconceito.

Nós agimos de forma diferente, mas esta diferença é que promove o aprendizado em nossas vidas, e o aprendizado é adquirido não com o julgar, mas com o tolerar. Se não exercitarmos a tolerância, além de desperdiçarmos a oportunidade de aprender e evoluir, iremos difundir o conflito em lugares os quais se deveria cultivar a amizade. Não podemos exigir que as pessoas pensem e ajam à nossa maneira. Devemos aceitar a ideia de permitir que cada um siga o caminho que lhe é próprio e sem julgamentos.

Quem está em comunhão e em paz consigo, não tem a necessidade de acusar ou apontar, porque sabe que Todos Somos UM em um constante aprendizado. Sabemos que isto não justifica a crueldade praticada pelos indivíduos, mas quem está em paz consigo sabe que estes atos não passarão desapercebidos pela Lei do Retorno,  pois “a semeadura é livre a colheita não.” Quem julga o individuo, será julgado como pessoa, e quem julga o coletivo será julgado coletivamente.

Mas há um limite para a tolerância?

Tolerar é a justa medida, pois ninguém pensa que se deve tolerar o roubo e o assassinato. Caso nos deixássemos levar por esses erros, acabaríamos sob a lei do mais forte. Promover a tolerância não é tolerar tudo, porque é evidente que não se pode permitir tudo. Tolerar não é dizer aos outros o que devem fazer ou agir de uma determinada forma, mas sim, encorajar a todos compartilhando as experiências que você viveu em casos parecidos com os delas. Lembre-se, não julgue, somente acolha e fale com amor.

Não estou dizendo aqui que não devemos julgar nada, mas sim, que devemos julgar menos e nos preocuparmos mais em vigiar os nossos próprios atos, para que não recaiam sobre nós mesmos os efeitos de nossas ações. Afinal, quem não julga, não será julgado e quem espalha amor e tolerância receberá de volta amor e tolerância . Reflitam que cada pessoa está em processo de evolução e saibam diferenciar e não julgar, pois não adianta nada ler textos de luz, meditar, ir para sessões de reiki, centros espíritas, ir à igreja se no seu dia a dia, nos seus pensamentos ou em suas conversas não utilizam a tolerância e o amor ao próximo.

Tolerância é caminho de paz.

  • “Não julgues esse ou aquele companheiro ignorante ou desinformado, porquanto, se aprendeste a ouvir, já sabes compreender”.
  •  “Diante de criaturas que te enderecem qualquer agressão, conversa com naturalidade, sem palavras de revide que possam desapontar o interlocutor”.
  •  “Perante qualquer ofensa, não percas o sorriso fraternal e articula alguma frase, capaz de devolver o ofensor à tranquilidade”.
  •  “Nos empecilhos da existência, tolera os obstáculos sem rebeldia e eles se te farão facilmente removíveis”.
  •  “No serviço profissional, suporta com paciência o colega difícil, e, aos poucos, em te observando a calma e a prudência, ele mesmo transformará para melhor as próprias disposições”.
  •  “Em família, tolera os parentes menos simpáticos e, com os teus exemplos de abnegação, conquistarás de todos eles a bênção da simpatia”.
  •  “No trânsito público, não passes recibo aos palavrões que alguém te dirija e evitará discussões de consequências imprevisíveis”.
  •  “Nos aborrecimentos e provações que te surgem, a cada dia, suporta com humildade as ocorrências suscetíveis de ferir-te, e a tolerância se te fará a trilha de acesso à felicidade, de vez que aceitarás todos os companheiros do mundo na condição de filhos de Deus e nossos próprios irmãos”.

 

Autor: Emmanuel

Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Livro: Plantão de Paz

Lembrem-se TODOS SOMOS UM !

Paz profunda a todos.

Eu sou O manú

 

Comentários